18 abril, 2011

So Far So Good

Estou oficialmente a entrar no meu 2º ano do doutoramento. Olho, então, para o último ano e o que vejo? Tanta coisa que parece que foi muito mais do que 365 dias.

Tudo começou com o momento do "aprovado". Foi uma sensação de satisfação que acho que nunca tinha sentido. Fazer birra, bater com o pé no chão, não deixar que me contrariem ... às vezes tem de ser para garantirmos aquilo que queremos. E eu sempre soube muito bem o que queria. Não foi fácil ir mantendo esta postura ao longo de tanto tempo, mas fui conseguindo equilibrar e aguentar e suportar e, acima de tudo, acreditar. Valeu a pena. Depois foi o arranque ... para mim não foi estranho, porque não sentia que estava a começar, mas antes a continuar. Desde o estágio que ando nisto e são, portanto, quatro anos. Por isso, tive tempo de perceber como é que se faz investigação, como se trabalha, como se publica, onde é que eu sou boa e onde é que eu falho (continuo a não saber fazer títulos em condições!). Fazer investigação faz parte de mim. No meu imaginário sei que seria capaz de fazer muitas coisas (da fotografia à escrita), mas é investigação que eu faço e que quero fazer. Acho que a maior parte das pessoas não percebe muito bem o que isto é, pelo menos é o que vou sentindo, mas qualquer dia ainda escrevo sobre isto.

Este foi um ano centrado nas aulas do mestrado e na pesquisa de informação. E como não sei estar só a fazer uma coisa, ainda foram a organização de conferências e workshops e, claro, a submissão de projectos. Quatro submetidos. Três à espera de resposta e um recusado por termos falhado num dos requisitos, tornando a proposta elegível (cada vez que penso dá-me um "bac!" cá dentro).

Este ano vai ser ano de resultados e é por isso que tenho de estar mais focada. Recolha intensiva de dados - inquéritos e inquéritos e inquéritos! Publicações em conferências (já lá vão seis!), mas é nas publicações em revista que estou a apostar. Espero no final do ano ter duas prontas para submissão.

Houve uma altura em que a minha orientadora me disse para ter cuidado com a ambição. A verdade é que preciso de ter estes números na minha cabeça para fazer acontecer. Acho que depois ela percebeu o meu ponto de vista, mas deixou-me a pensar se efectivamente conseguiria suportar tanta carga. Continuo sem saber ... e também isto faz parte do processo: inseguranças e incertezas, medo de falhar, lidar com críticas, suportar o cansaço, resistir à pressão, engolir sapos (e às vezes elefantes) ... há dias assim, que apetece mesmo mandar tudo às favas, mas vou sentindo que também é isto que me faz perceber aquilo que quero e aquilo que não quero e que também me faz acreditar que posso fazer mais e mais e mais.

E pronto. Parece que faltam três anos.
So far so good.

6 comentários:

Lady Me disse...

Isso é que é trabalhar! Quem me der ter metade da tua motivação e força! vais fazer isso muito bem e vai correr cada vez melhor, não poder ser de outra maneira :)

Beijinho*

Dianinha disse...

Sim Lady, trabalha-se muito para estes lados ... Muita da minha motivação vem por gostar do que faço e também pelas pessoas com quem trabalho. Sou mesmo uma sortuda! :)

E tu vais conseguir também, vais ver! É uma questão de tempo, porque tu vontade já tens e nem imaginas o quanto isso é importante! :)

Beijoca *

DFC disse...

Olá Drª Diana... lol
Aproveito a facto para te dar os parabéns pelo douturamento que ainda não tinha tido oportunidade de te felicitar. Ambos ficamos sem falar um para o outro.
Tens uma força imensa e a ambição também faz bem para nos pôr a "funcionar"...
E com estas breves palavras te deixo um beijo...

Dianinha disse...

Hummm ... dá para saber quem és?
Oh de Dra não tenho nada, nem a pontinha do cabelo! Obrigada pelas palavras!

Sheep disse...

Por acaso estava lá no momento do "aprovado". Houve alguma emoção... :) Foram outros tempos... Muito mudou desde então...

Dianinha disse...

Sim, houve muita emoção :)
E sim, muito mudou e ainda bem ...