11 julho, 2009

Perdida em "Jesusalém"

Ontem à noite acabei o novo livro do Mia Couto. Acabei com vontade de voltar ao início e ler tudo outra vez. Acabei com a certeza de que ninguém escreve como o Mia. Acabei com a sensação de ainda estar dentro da estória e a conversar com as personagens. Acabei e voltei a dar mais beijinhos na capa, numa despedida momentânea, porque certamente que o vou reler.

Podia dizer muita coisa sobre este livro mas não dá para o traduzir nem para o descrever. O Mia Couto escreve com a emoção de um mundo, a tradição de um lugar, as vozes de uma memória. Mas ter cruzado o início de cada capítulo com poemas da Sophia de Mello Breyner Anderson deixou-me deliciada. Conjugação perfeita.

Aqui fica um bocadinho que não me canso de reler:


E a loucura nem sempre é a uma doença. Por vezes, é um acto de coragem. O teu pai, caro Mwanito, teve essa coragem que nos falta a nós. Quando tudo estava perdido, ele começou tudo de novo. Mesmo que esse tudo aos outros parecesse nada. Eis a lição que aprendi em Jesusalém: a vida não foi feita para ser pouca e breve. E o mundo não foi feito para ter medida.

4 comentários:

Teresa disse...

Já tenho vontade de o ir comprar!!
Muito bom esse bocadinho, mesmo sem saber do que se trata...

bjinho*

Dianinha disse...

Hummmm ... também não posso dizer do que se trata porque cada um deverá interpretar à sua maneira! Mas fazemos assim: lês e depois trocamos imrpessões, boa?! :)

Obrigada pela tua visita e já fui espreitar também o teu cantinho e que boas memórias me trouxeste! :)

beijinho*

Raquel disse...

Nahhhh Mia Couto e Sophia??...vou ler extasiada!!! O Mia, que já estava no meu Olimpo, passou a Zeus...

Dianinha disse...

Sim, babe ... o Mia usou poemas da Sophia ... e tem lá alguns dos meus preferidos :)

Sexta-feira estou a ver a ficar a ler o livro pela madrugada dentro! hehehe